Siarom Selopreih
A vida é poesia efêmera,  que pereniza a nossa história.
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato
Textos


Viver

Ainda que de repente se morra
Não se morre de repente
Se se morre, a morte vem aos poucos
Para aos poucos se ver a morte chegar
E há que se cuidar para que morra completamente quem tanto amamos
E tanto seguramos para conosco ficar
Coisificamos a pessoa
Nas coisas em que a personificamos.

Vestígios são rastros
Rastros se tornam relíquias
Relíquias são resistentes vestígios
De quem partiu
e partindo, tornou-se parte em nós
e partidos tornamo-nos o ser nas coisas
que eram coisas de quem se foi,
mas em se indo ancorou-se no lago confuso
entre o partir e o ficar

quem partiu nos partiu
e se repartiu no que não pode levar

Há quem jamais conseguirá morrer
Há quem jamais, até que morra, deixará o outro morrer em paz
Há quem mata, aos poucos, quem ama em vida
E depois a ressuscita nas coisas nas quais vida não há

Não sei se se morre quando se morre...
se se morre quando se vive para o ter...

se o ter e o ser se confundem
risco haverá de se viver depois da morte nas coisas que em sendo coisas que se tinha
por não terem vida não morreram
e por não morrerem
retêm a vida de quem poderia morrer em paz

Ao deixarmos morrer as coisas que não têm vida
de quem vida já não tem
Poderemos viver plenamente a morte de quem ancorou sua vida em nossos corações
E viver em vida a vida que se tem
Tendo o que se é
e não sendo o que se tem



 
Siarom Selopreih
Enviado por Siarom Selopreih em 31/08/2013
Alterado em 27/09/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site www.hierpoles.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários